20 de fevereiro de 2020

Desmame da Criança – Crianças


O desmame não é o fim e sim o começo de um novo e delicioso mundo para a mãe e filho, repleto de novidades, descobertas e renovação de afetos.

Desmame da Criança – Amamentar e desmamar, no peito ou na mamadeira, são experiências inesquecíveis para mães e filhos. Ver o bebê engordando e crescendo, graças ao leite que ele recebe da forma mais íntima e especial, é tão gratificante quanto acompanhar sua entrada no mundo de sabores, cores, texturas e aromas dos novos alimentos. E a ligação estreita entre mãe e filho proporcionada pela amamentação não se perde com o desmame. Ao contrário, ela se renova e se amplia com vivências, reações e emoções diferentes.
O desmame é outra fase de relacionamento e de aprendizados, tal como foi o período do peito ou da mamadeira. Será normal, por isso, que você ou seu filho sintam alguma dificuldade no início, para depois curtir, com a mesma satisfação proporcionada pelo aleitamento, as novidades e os prazeres desta importante etapa de crescimento.

Benefícios –
Para você e seu filho continuarem a desfrutar dos momentos agradáveis de antes nas novas refeições, o primeiro passo é compreender que o desmame é um avanço positivo e necessário para a saúde do bebê.
Além dos benefícios nutricionais dos novos alimentos, a mudança de hábitos alimentares estimula os sentidos de seu filho e aprimora o olfato, o paladar, a audição, a visão e o tato. É um ganho precioso, porque coincide com a fase em que a criança já tem mais autonomia para explorar o ambiente e demonstra interesse por outras pessoas e coisas. O desmame só contribui para esse início de socialização.

Começo e fim –
O pediatra é seu grande aliado para determinar o momento certo de introduzir novos alimentos na dieta de seu filho, porque isso depende de vários fatores relacionados à criança e aos costumes familiares, como o tipo de aleitamento, o ganho de peso do bebê ou a necessidade da mãe de voltar ao trabalho. O desmame da criança amamentada ao seio começa em geral quando o bebê tem 6 meses; o da que recebe leite na mamadeira, a partir dos 4 meses, limite mínimo para que o sistema digestivo da criança esteja apto a digerir outros alimentos.
Os médicos ressaltam a importância de evitar o desmame precoce quanto o retardo na introdução de novos alimentos. Adiantar não é bom, porque a ingestão de alimentos inadequados ou que foram contaminados durante o preparo são causas freqüentes de diarréias, que podem representar grave risco de desidratação para o bebê. Atrasar o desmame pode ser prejudicial ao desenvolvimento da musculatura envolvida na fala, além de dificultar a aceitação dos alimentos, o que pode ter reflexos no crescimento da criança. 
O fim do desmame não tem data certa para acontecer, pelos mesmos motivos do início: as necessidades da criança e os hábitos da casa. O mais comum é que ocorra entre os 18 meses e os 2 anos, quando seu filho já estiver comendo a mesma comida da família.

Etapas –
A regra essencial é introduzir os alimentos gradativamente, respeitando as reações da criança. Os sucos e papas de frutas inauguram o processo e devem ser oferecidos na colher, em pequena quantidade. De manhã, é suco entre as mamadas. À tarde, a papinha de frutas, complementadas com leite. 
As frutas fornecem vitaminas, minerais e fibras. Ao escolhê-las, lembre-se da sua função reguladora do intestino. Algumas são laxativas, como o abacate, o abacaxi, a ameixa, a laranja, o mamão, a manga e a melancia. Outras favorecem a prisão de ventre: banana, maça e pêra, limão, goiaba, caju e maracujá.
Depois que seu filho estiver bem acostumado ao suco e ao sabor diferente das frutas, você pode dar a comida salgada. Serão entre duas e três colheres de sopa de uma papinha quase líquida. O ideal é começar no almoço. Depois que a mamada desse horário for suprimida, ofereça a papa salgada também no jantar.

Variedade –
No início, os médicos recomendam colocar apenas uma fruta no suco e na papa, para testar a tolerância do bebê ao novo alimento e também educar seu paladar. Na sopa salgada, você já pode misturar quatro ou cinco ingredientes. A consistência do alimento deve ser mole no começo. Amasse-o com o garfo e não passe na peneira, pois a criança precisa treinar a mastigação. No oitavo mês, a papa deve ser menos amassada. No 11° mês, ofereça a refeição em pedacinhos. E dê os sucos no copo, para estimular seu filho a abandonar a mamadeira.

Muita calma –
 As mães devem estar preparadas para as sujeiras e as manifestações de vontade da criança. Às vezes, os bebês não têm fome no momento em que lhes é oferecida a refeição. Outras vezes, recusam a comida por puro cansaço. Nessas horas, não force. Deixe para mais tarde.

Sobre o Autor

O despertar da Consciência é nosso sistema de publicação automático dos conteúdos.

    Postagens Relacionadas