24 de janeiro de 2020

Brasil pode ajudar a produzir novo Hubble – Teconlogia

Brasil pode ajudar a produzir novo Hubble

Um grupo de cientistas divulgou nesta terça-feira na Grã-Bretanha um projeto para a construção de um telescópio espacial que substituiria o Hubble. O projeto poderá contar com a participação do Brasil.

O nome do projeto é Observatório Espacial Internacional e seria lançado depois que o Hubble fosse desativado, dentro de alguns anos.

Martin Barstow, professor do departamento de Física e Astronomia da Universidade de Leicester, disse que o Brasil foi um dos países que manifestaram interesse em participar do Observatório Espacial Internacional. Segundo o professor, a participação brasileira pode ocorrer na construção do telescópio, contribuindo com recursos.

Se o Brasil não tiver recursos, poderá, em um segundo estágio, solicitar a participação de cientistas brasileiros nos trabalhos de pesquisa.

“Não existe uma contribuição mínima que será exigida dos países. O Brasil tem uma importante comunidade na área de astronomia e será bem-vindo ao projeto”, disse o cientista.

Desativado

A decisão da agência espacial americana, Nasa, de desativar o Hubble mais cedo do que o esperado decepcionou muitos cientistas, que vão perder acesso ao que alguns dizem ser o melhor instrumento para astronomia desde que Galileu Galilei inventou o telescópio.

Uma equipe de cientistas entusiastas do Hubble buscam agora apoio político e financeiro para um telescópio que desempenharia algumas das tarefas do telescópio hoje no espaço.

O conceito do Observatório Espacial Internacional conta com o apoio de mais de 20 países, inclusive África do Sul, Argentina e México.

Os astrônomos afirmam que essa seria a primeira missão espacial verdadeiramente global e custaria cerca de US$ 400 milhões, cerca de 10% do custo do Hubble.

O novo telescópio estudaria corpos celestes que emitem radiação ultravioleta, ou seja, aqueles com temperaturas muito altas como estrelas e galáxias.

Como a Nasa está concentrando seus esforços para a exploração espacial em possíveis viagens tripuladas, o sucessor oficial do Hubble, o Telescópio Espacial James Webb, programado para lançamento em 2011, não tem capacidade para imagens ultravioleta.

Essa capacidade permitiu no passado a observação de estrelas anãs brancas em órbita de estrelas normais, revelando sua composição, e a descoberta de que a maioria das estrelas está envolvida em gás quente, como a coroa do Sol.

Sobre o Autor

O despertar da Consciência é nosso sistema de publicação automático dos conteúdos.

    Postagens Relacionadas