Aguarde!
 Carregando o Conteúdo
          desta Página...
Home TopGyn
Envie por E-mail Fale Conosco

OS VILÕES DA QUEDA DOS CABELOS - Quando lavar a cabeça vira tortura porque o cabelo está caindo além da conta é melhor prestar atenção ou procurar um especialista.Os fios crescem em média, um centímetro por mês, podendo chegar a 15 centímetros em um ano. Levam de seis a oitos anos para cumprir sua trajetória natural - nascer, crescer e cair - , e se renovam continuamente. Assim, velhos fios caem e novos fios nascem, ao mesmo tempo, o tempo todo. Segundo os especialistas, é normal quando se perde, em média, de 70 até 100 fios por dia - por isso é natural encontrar fios no pente ou no ralo da ducha. Mas achar cabelo no banco do carro, nas roupas, no travesseiro e por toda a parte não é bom sinal. Uma perda exagerada quase sempre tem um bom motivo que deve ser investigado. Em geral, a recuperação do estrago varia de três a cinco meses, dependendo da origem do problema. Quando a queda persiste, vale a pena consultar um dermatologista. Aqui os principais vilões da história:

TINTURAS E OUTROS PROCESSOS QUÍMICOS
- Mais importantes do que dosar a freqüência que se faz tinturas, alisamento, permanente ou relaxamento, é fundamental verificar a qualidade dos produtos utilizados no processos. O estrago pode ser grande: o fio não cai; ele quebra rente a raiz. É um susto, mas os cabelos voltam a crescer normalmente. Nesse caso, um especialista ajuda a acelerar e fortalecer o crescimento com infiltrações locais e uso de vitaminas do complexo B e proteínas.

GRAVIDEZ E MENOPAUSA - A vida útil dos fios está ligada ao funcionamento dos hormônios sexuais - assim qualquer alteração hormonal brusca provoca mudanças no ciclo de crescimento dos fios.Quando uma mulher engravida, por exemplo, acontece um retardamento da queda natural dos fios, aquela que ocorre diariamente. Em compensação, três a quatro meses depois que o bebê nasce, eles caem todos ao mesmo . Mas essa situação se normaliza rapidamente. A menopausa é outro momento delicado na vida hormonal das mulheres. Nessa fase, a interrupção da produção de hormônios masculinos - e hoje já se sabe que calvície masculina é determinada por fatores hormonais. Por isso, é normal que a mulher comece a perder mais cabelos a partir desse período.

ESTRESSE - Quando a causa é o estresse, os fios caem em conseqüência de um quadro de esgotamento físico e emocional. Em alguns casos, acontece uma perda rápida e localizada. Em outros, os fios caem de todo o couro cabeludo, aos tufos. Isso acontece porque o estresse faz disparar a produção e a liberação do estradiol, um hormônio que circula por todo o organismo, bombardeando pontos frágeis. Os bulbos capilares são alvos comum desse ataque: na prática ocorre um processo inflamatório local que mata o fio. Algumas vezes, o efeito de estresse é imediato. Mas é comum que os cabelos comecem a cair depois de um certo tempo - e , aqui, a pessoa nem sempre se relaciona imediatamente as duas coisas.

PROBLEMAS HORMONAIS E PÍLULA - Também podem estar em jogo oscilações hormonais causadas por um desequilíbrios no funcionamento dos ovários, da tiróide ou da glândula supra-renal. Mais uma vez são os altos e baixos do hormônios influenciando na quantidade de cabelos perdidos. Uma vez tratada a causa tudo se normaliza. No caso dos anticoncepcionais, o impacto vai depender da fórmula do medicamento: hoje existem pílulas contendo estrógenos e andrógenos, substâncias que acentuam a queda; outras produzidas com antiandrógenos, provocam o efeito inverso, com retenção dos pêlos de todo o corpo. Em ambos os casos, os efeito é passageiro e o ciclo capilar se regulariza assim que o uso da pílula é interrompido.

AMAMENTAÇÃO, DIETA E CIRURGIA
- Na escala de prioridades do organismo, o cabelo aparece como um dos últimos itens da lista. Isso quer dizer que quando faltam nutrientes para funções essenciais simplesmente não se produz a quantidade habitual dos fios. Essa estratégia é natural no organismo e explica porque o cabelo muitas vezes perde força, o brilho e o volume quando as mulheres estão amamentando. O mesmo motivo justifica a queda anormal após a realização de uma cirurgia ou de um período em que a dieta foi muito restritiva em vitaminas e proteínas. Em todos esses casos, a perdas são reversíveis e cessam assim que o organismo se reequilibra.

ALGUMAS VERDADES E MENTIRAS
1 - Os fios não caem mais nem menos se ficam muito tempo sem corte. A tesoura só é importante para eliminar pontas danificadas e dar forma ao cabelo. 2 - Todas as boas linhas de cosméticos têm produtos específicos contra a queda de cabelo. Esses xampus e cremes não alteram o ciclo de vida dos fios, mas melhoram a condição fisiológica do couro cabeludo, que fica mais estável (sem seborréia ou descamações, por exemplo ). Esses produtos são coadjuvantes importantes nos tratamentos , facilitando a ação dos medicamentos. 3 - Não existe nenhuma comprovação científica de que as fases da Lua tenham diferentes influências sobre o fortalecimento ou crescimento dos fios. 4 - No outono realmente se perde mais cabelo.É recente a descoberta de que o cabelo sofre com a falta de luz e reage como as plantas, que perdem as folhas nesta estação. Na verdade, a pele tem células receptoras de luminosidade, que respondem ao estímulo de muita ou pouca luz, com reflexos sobre a formação de novos fios e queda dos antigos. Como o outono é o período mais escuro do ano - mesmo no inverno , os dias são mais claros -, o cabelo cai mais. 5 - Tomar vitaminas do complexo B , sob orientações médica é uma medida que pode ajudar a controlar a queda de s cabelo. 6 - Lavar a cabeça todos os dias não afeta a queda natural do cabelo. O ideal é alternar a ducha, dia sim, dia não. Esse ritmo mantém a oleosidade do couro cabeludo na medida certa. 7 - Abusar do secador pode comprometer a normalidade da queda. Além de roubar o brilho do cabelo, o uso freqüente afeta a resistência dos fios. Quem não dispensa, tem de tomar pelo menos uma precaução: manter o secador o mais longe possível do couro cabeludo. 8 - Praia e piscina desidratam os fios e podem comprometer o tom, mas não vão provocar queda de cabelo. 9 - Como todos os outros ritmos do organismo, o de renovação do cabelo diminui gradativamente ao longo da vida. Com o passar dos anos, parte do que cai não vai mesmo voltar a nascer. 10 - O cabelo pode mudar radicalmente de tipo e textura depois de tratamentos médicos muito agressivos ( quimioterapia, por exemplo ) ou, no caso de raspar a cabeça.